UOL: CIRURGIA DE FIMOSE: QUAIS SÃO OS BENEFÍCIOS?

Primeiramente, é importante destacar que há uma diferença entre a fimose e o prepúcio, que é a pele que recobre a glande. Quando não há estreitamento, o orifício do prepúcio permite que a glande entre e saia sem problemas, sendo esse o cenário normal do pênis.

Quando há uma espécie de um anel fibroso, que gera um estreitamento muito grande do prepúcio, a glande acaba não sendo exteriorizada e essa situação ganha o nome de fimose. No geral, ela é caracterizada como o excesso de pele que recobre o pênis, dificultando a exposição da glande. Essa é uma condição comum em grande parte dos meninos e que tende a desaparecer por volta dos três ou quatro anos de idade. Quando isso não acontece, e os medicamentos e os exercícios não funcionam, o médico entra em ação. 

Quais são os benefícios da cirurgia de fimose?

Apesar de, inicialmente, gerar preocupação nos pais, a cirurgia é simples e muito benéfica. Na vida adulta, pode aumentar o desempenho sexual, uma vez que, sem a pele, a movimentação durante as relações sexuais é mais fácil e agradável, como explica Danilo Galante,  Membro Titular da Sociedade Brasileira  de Urologia. Além disso, a intervenção aumenta a sensibilidade da ponta do pênis, dando muito mais prazer.

“Sem contar que a cirurgia também reduz as chances de se contrair infecções sexualmente transmissíveis (IST), uma vez que a pele é feita de uma mucosa na qual essas doenças podem se instalar” complementa Galante. 

Outro benefício é uma melhor higienização do pênis, visto que, sem a pele, a limpeza é mais simples e rápida.

Clique aqui e leia a matéria completa.

Metrópoles: Homens fingem orgasmos? Entenda os motivos masculinos para a atuação

Apesar da maioria pensar que fingir orgasmos só é possível para mulheres, especialista aponta que entre 10% a 15% dos homens fingem

Desde que o mundo é mundo e as pessoas transam, existe um costume (ruim) entre algumas mulheres durante o sexo: fingir orgasmos. O ato, geralmente, é atribuído ao público feminino pelo fato de o clímax sexual nas mulheres acontecer, na maioria das vezes, sem uma ejaculação.

Contudo, ainda que mais comum entre as mulheres, os homens também fingem orgasmos. Chocado(a)? Pois é. De acordo com o urologista e sexólogo Danilo Galante, de 10% a 15% dos homens já fingiram ou costumam fingir orgasmos na cama.

Mas fica a pergunta: como um homem pode fingir um orgasmo? Primeiro é necessário entender e separar os conceitos de orgasmo e ejaculação. “Apesar de, para os homens, as duas coisas acontecerem simultaneamente, são dois fenômenos diferentes. Enquanto a ejaculação é a expulsão do sêmen e dos espermatozoides, o orgasmo é a sensação, o ápice do tesão”, explica o médico.

Desta forma, existem tanto os homens que ejaculam sem ter um orgasmo quanto os homens que têm o orgasmo sem ejacular. Cirurgias, dificuldades na emissão de sêmen, remédios e alterações neurológicas podem estar entre as causas das duas situações.

Por que fingir?

Apesar de fingir um orgasmo acontecer tanto entre homens quanto entre mulheres, para os dois os motivos para fazer isso podem variar. Enquanto muitas mulheres fingem ter gozado para não ferir o ego do parceiro, a maioria dos homens faz isso por vergonha.

“Muitos deles costumam ter disfunção erétil, que é a dificuldade em manter uma ereção. Logo, alguns homens preferem fingir um orgasmo do que admitir que perdeu a ereção durante o sexo” explica Danilo.

Por fim, outra possibilidade é que o homem possa ter anorgasmia – dificuldade em chegar ao orgasmo – seja por questões psicológicas ou qualquer outro motivo. Então, como sabem que não vão chegar lá, fingem.

Clique aqui e leia a matéria na integra.

UOL: Vasectomia prejudica a ereção?

Muitos homens têm dúvidas em relação à vasectomia

Quando se fala de vasectomia, muitos homens ficam preocupados com relação à masculinidade que pode ser “perdida”. Alguns acreditam que não conseguirão mais ter a mesma libido e que o procedimento pode até afetar a ereção.

Contudo, o sexólogo e urologista Danilo Galante garante que essa cirurgia, cujo objetivo é esterilizar os homens, não causa impotência sexual. “No procedimento, apenas os ductos deferentes são cortados, o que impede a passagem dos espermatozoides. Isso não interfere nos nervos responsáveis pela ereção”, diz ele, deixando claro que não há alteração nenhuma nessa parte.

Ainda segundo o especialista, o procedimento também não interfere na sensibilidade do pênis ou dos testículos. “Na cirurgia, os nervos da pele não sofrem qualquer tipo de intervenção. As complicações possíveis são sangramentos, hematomas, dor crônica e infecção, correspondendo a menos de 5% do total de pacientes operados.”

E a ejaculação? Não fica prejudicada?

De acordo com Galante, há uma diminuição de, aproximadamente, 60% no volume, além de aspecto menos espesso e transparente. “A ejaculação ocorre normalmente, só que em menor quantidade”.

 

Clique aqui e leia a matéria na integra

Máxima UOL: Conhecer o próprio corpo! Sexólogo explica a importância da masturbação

Dr. Danilo Galante falou sobre o contato íntimo com o corpo

Masturbação ainda é um tabu na sociedade. O toque íntimo com o corpo é, por muitas vezes, visto como algo errado ou que não deva acontecer.

Porém, a verdade é que isso tudo está errado e esse contato é importante! O Dr. Danilo Galante, sexólogo, explicou a importância da masturbação.

Nesse momento de pandemia, ele continua sendo importante: “A Masturbação é necessária em qualquer período pós-adolescência. Não é mais importante ou escape porque estamos vivendo isolamento social.”.

O médico desmistificou alguns “achismos” que encontramos por aí quando o tema é esse: “Embora muitos achem que a masturbação alivia as tensões, que relaxa ou que é uma forma de ganhar endorfina, saibam que isso é mito.”.

Dr. Danilo revelou qual é o maior benefício desse toque: “A grande verdade é que o maior benefício da masturbação é o alto conhecimento. Através da masturbação é possível saber o que está acontecendo com o corpo, aliás, é a única forma desvendar onde está o próprio prazer. Com a masturbação descobrimos os pontos de prazer, onde gostamos de ser tocado(a) e assim, podemos ter uma vida sexual mais prazerosa”.

“A masturbação é essencial para quem deseja trabalhar melhor sua sexualidade. É mais difícil ter uma vida sexual confortável e agradável sem passar por esse processo.”, orientou o especialista.

Clique aqui e leia a matéria na integra! 

CBN Saúde: Infecção urinária: entenda causas e como prevenir

Comum nas mulheres, problema pode se agravar e causar internações

No quadro CBN Saúde desta quinta-feira (15), o médico urologista Danilo Galante explica os sintomas e causas da infecção urinária. De acordo com a Sociedade Brasileira de Urologia, a incidência dessa infecção é de 80 a 90% em mulheres, principalmente, nas que estão em idade reprodutiva ou na menopausa.

 

CBN SAÚDE (15/04/2021): médico urologista Danilo Galante fala sobre infecção urinária em mulheres
Watch this video on YouTube.

 

Clique aqui e acesse a matéria na integra!

UOL: Por que algumas mulheres não gemem durante o sexo?

Seja em filmes eróticos, seja em novelas nacionais, grande parte das obras de ficção mostram o sexo sempre acompanhado de muitos gemidos femininos. Contudo, na vida real, existem mulheres que não gostam ou não se sentem confortáveis para gemer. Mas, afinal, qual é a real intenção do gemido?

De acordo com uma pesquisa realizada em 2011, com 71 mulheres heterossexuais com vida sexual ativa, 66% delas afirmaram que gemiam para acelerar o orgasmo do parceiro, enquanto 87% revelaram que os gemidos melhoravam a autoestima.

Mas e as mulheres que não gemem?

Segundo o sexólogo Danilo Galante, algumas mulheres ainda têm a preocupação de não parecerem vulgares na cama. Logo, como o gemido é muito mostrado em filmes pornôs, elas podem se sentir incomodadas e terem essa trava para se soltar na hora H.

O problema nisso é que, ao reprimir uma vontade, as mulheres acabam não conseguindo atingir o orgasmo de forma tão fácil. “Elas sentem vontade de gemer, de fazer caras e bocas, mas se limitam”, explica Danilo.

O sexólogo comenta que esse tipo de atitude pode atrapalhar completamente a performance das mulheres na relação sexual, porque todo mundo precisa estar à vontade para que dê certo. “Só se sentindo à vontade é que se consegue ter prazer e dar prazer para outra pessoa. Se há preocupação em atender expectativas ou se há medo de frustrar a outra pessoa, com comportamento ‘vulgar’, por exemplo, isso limita a performance e as sensações do momento”, diz o médico.

E como resolver isso?

A principal dica de Danilo é que a mulher se conheça muito bem, ou seja, que ela descubra o que gosta na cama e tenha intimidade com o próprio corpo, sem se sentir culpada por isso.

“É importante que ela entenda o que gosta e saiba como fazer isso. A partir do momento em que ela entende tudo isso, a relação fica mais fácil. Ela passa a sentir mais prazer e, consequentemente, dar mais prazer também. Assistir filme pornô pode dar ideias, usar brinquedos eróticos pode facilitar a vida também, mas o principal está dentro dela”, justifica ele.

Contudo, vale lembrar da importância de não se obrigar a nada. O objetivo é justamente se conhecer e entender os próprios limites. Logo, com o filme pornô, por exemplo, a mulher pode até gostar e se inspirar, mas pode ocorrer o efeito contrário e ela ficar incomodada. No fim, quem vai decidir o que fazer se estiver à vontade é ela.

 

Clique aqui e leia a matéria completa!

Metrópoles: Entenda a “dor de cabeça sexual” e saiba por que ela acontece

Chamada também de cefaleia orgástica, a dor de cabeça pode acontecer durante o sexo ou, principalmente, na chegada do orgasmo

É comum encontrar relatos de pessoas que já deixaram de fazer sexo por conta de uma dor de cabeça, ou mesmo que estavam com o problema e, depois de transar, melhoraram. Mas é possível que alguém fique com o mal-estar por conta do ato sexual?

Por incrível que possa parecer, a resposta é sim. Trata-se da “dor de cabeça sexual”, chamada cientificamente de cefaleia orgástica. De acordo com o urologista e sexólogo Dr. Danilo Galante, ainda que seja rara, esse problema acontece em alguns pacientes.

“Essa cefaleia é uma dor de cabeça que acontece devido ao aumento da frequência cardíaca e da pressão arterial. É a mesma que pode acontecer após um exercício físico intenso, e costuma aparecer mais em pessoas que estão cansadas fisicamente”, explica.

Apesar de poder acontecer durante o ato sexual, a cefaleia orgástica tende a aparecer mais comumente no momento do orgasmo. “Ela aparece um pouquinho antes do orgasmo, quando é maior o aumento de frequência cardíaca e pressão arterial, e dura todo o clímax”, diz.

Mas o médico garante que não há com o que se preocupar. A dor de cabeça sexual não traz maiores perigos, e seu tratamento se dá da mesma forma de uma dor de cabeça comum – analgésicos ou antiinflamatórios. Sem contar que, normalmente, a dor dura pouco tempo, passando assim que o orgasmo termina. “Não é algo que dure muito, como uma enxaqueca. E também é importante frisar que essa dor é muito ocasional, logo, as pessoas não têm sempre, mas sim vez ou outra”, finaliza.

Clique aqui e leia a matéria completa

Metrópoles: Goza que o sono vem: entenda o porquê da masturbação te ajudar a dormir

Especialista explica motivos da sensação de relaxamento pós-orgasmo e responde se a masturbação é uma opção de tratamento para insônia

Ainda que o orgasmo seja o pico máximo de prazer e uma explosão de euforia e excitação, quem já teve um sabe que o que vem logo após é o extremo oposto: relaxamento instantâneo e até aquele soninho.

Por conta disso, há quem inclusive lance mão da masturbação quando está com dificuldades para conseguir dormir. Mas, afinal, por que se masturbar dá sono?

De acordo com o urologista e sexólogo Danilo Galante, o corpo passa por um gasto de energia intenso durante um orgasmo.

“Ocorre a contração de vários músculos ao mesmo tempo, todo o assoalho pélvico se contrai. E como em qualquer outra atividade física, isso gera um gasto energético e causa um cansaço logo na sequência”, explica.

Além disso, também há no ápice do prazer a liberação de diversos hormônios que contribuem para a sensação de moleza. “São descarregados vários hormônios, como a endorfina e a adrenalina, e após isso vem uma sensação de relaxamento comum, tanto nos homens como nas mulheres”, diz Danilo.

Masturbação para a insônia?

Desta forma, o urologista afirma que se masturbar ajuda qualquer pessoa a dormir – desde alguém com uma simples dificuldade até os pacientes com insônias mais graves ou pessoas com ansiedade.

“Tem pacientes com extrema ansiedade que depois da masturbação conseguem dormir, e o motivo é justamente esse relaxamento pós-orgasmo, que faz o paciente se acalmar”, aponta.

Contudo, o profissional faz o alerta: estabelecer um tratamento para insônia baseado nisso pode não ser uma boa ideia. Há a possibilidade de, com isso, criar uma relação entre o sexo e o problema de sono.

“A pessoa ter um orgasmo, que é para acontecer de uma forma espontânea e ser algo prazeroso, acaba virando algo programado. Perde o sentido da masturbação. Talvez até facilite, mas não acho vantajoso vincular ou sugerir como tratamento”, finaliza.

Clique aqui e leia a matéria na integra!

Metrópoles: Conheça 6 opções de preservativos sem látex para alérgicos

É possível encontrar no mercado, preservativos feitos com outros materiais

Para que, além de gostosa, a relação sexual seja segura, é indispensável o uso de preservativo (até mesmo para os sexos anal e oral). Contudo, há pessoas que têm dificuldade em encontrar preservativos porque têm alergia ao látex – principal composto da maior parte das camisinhas.

Segundo o urologista e sexólogo Danilo Galante, estima-se que 10 a 15% da população sofre com a alergia. Ao ter contato com o material, os principais sintomas são coceira, inchaço, vermelhidão e descamação na genitália, além de espirros, olhos lacrimejando e sensação de garganta arranhando.

Ao identificar os sintomas, as primeiras indicações são suspender imediatamente o contato com a camisinha e tomar um antialérgico. O médico ressalta também que, ainda que não seja comum, a alergia pode ser desenvolvida na idade adulta.

“É mais comum que as pessoas tenham essa sensibilidade desde sempre, mas, como qualquer alergia, ela pode aparecer em qualquer momento da vida, depende da exposição”, explica.

Opções
Se você é do time que não se dá bem com o látex, não tem por que desistir para sempre da camisinha. No Brasil, ainda que não sejam tantas opções, algumas marcas disponibilizam preservativos que não usam o látex em sua composição. Confira:

Skyn tradicional
As camisinhas da marca Skyn, da Blowtex, além de prometerem a sensação de estar sem camisinha, também são feitas com outro material que não o látex. Liberado!

Preservativo feminino Della
Muitos preservativos femininos são feitos com outras substâncias que não são o látex. Logo, ainda que não seja tão facilmente encontrada, é uma solução para os alérgicos.

Skyn texturizado
Se além da segurança o desejo é de uma sensação a mais, a Skyn conta com a opção da linha texturizada, com texturas onduladas e saliências elevadas.

Preserv Extra Premium
A linha Extra Premium da camisinha Preserv é, além de sem látex, sem cheiro, mais fina e mais larga, prometendo mais conforto na relação sexual.

Skyn Cocktail
Sem látex e com sabor? Tem, sim senhor! A Linha Cocktail da Skyn traz camisinhas saborizadas inspiradas em drinques. A Cherry Sunrise tem aroma e sabor de cereja, a Piña Colada de coco e a Passion Daiquiri de maracujá.

Jontex Pele com Pele
A Pele com Pele, da Jontex, é mais fina, livre de látex e promete a sensação de não estar usando nada.

Clique aqui e leia a matéria na integra!