PORTAL GQ: Vasectomia: especialista diz 8 mitos e verdades sobre a cirurgia

vasectomia é o procedimento de esterilização para homens, normalmente feito no próprio consultório médico, e que tem se popularizado no Brasil. Segundo dados do Ministério da Saúde, o país apresentou uma alta na procura por essa cirurgia, quando comparamos os anos de 2011 e 2017. O Sistema Único de Saúde (SUS) registrou um crescimento de 20% no número de vasectomias, indo dos 30,6 mil em 2011 para os 36,7 mil em 2017.

Vasectomia: especialista diz 8 mitos e verdades sobre a cirurgia (Foto: Getty Images)

Vasectomia: especialista diz 8 mitos e verdades sobre a cirurgia (Foto: Getty Images)

Apesar do número crescente, muitos homens ainda têm medo de se submeter ao procedimento, principalmente devido a diversos mitos disseminados sobre o assunto. Entre as dúvidas mais comuns: “Será que a vasectomia causa impotência sexual? Causa dor crônica? Causa perda de sensibilidade peniana?”.

Para esclarecer as dúvidas, o urologista e sexólogo Danilo Galante desmembrou os principais mitos. Confira abaixo:

A cirurgia causa impotência sexual?
MITO! No procedimento, apenas os ductos deferentes são cortados, impedindo a passagem dos espermatozoides. Isso não interfere nos nervos responsáveis pela ereção, não tendo como afetá-la.

Perda de sensibilidade no pênis ou testículos?
MITO! Na cirurgia, os nervos da pele não sofrem qualquer tipo de intervenção. As complicações possíveis são sangramentos / hematomas, dor crônica e infecção, correspondendo a menos de 5% do total de pacientes operados.

Todos os pacientes têm dor crônica após serem operados?
MITO! A dor crônica pode permanecer por até três meses, mas acomete menos de 3% dos pacientes.

MITO! Estima-se uma diminuição aproximada de 60% no volume ejaculado. O sêmen adquire aspecto menos espesso e transparente. Portanto, a ejaculação ocorre, com volume e aspectos diferentes.

O orgasmo pode ser perdido?
MITO! O paciente que faz a vasectomia mantém todas as sensações de prazer, incluindo o orgasmo. Somente o volume da ejaculação é alterado.

É um procedimento rápido?
VERDADE! Os dois lados do escroto são operados e o tempo estimado para a realização da cirurgia é inferior a uma hora.

O paciente tem uma breve recuperação?
VERDADE! Já no dia seguinte, é possível retornar ao trabalho e às demais atividades cotidianas.

A cirurgia tem alternativas quanto ao local de realização?
VERDADE! O procedimento pode ser feito no hospital ou no próprio consultório médico, caso seja equipada para isso.

Confira a matéria no link original: https://gq.globo.com/Corpo/noticia/2020/10/vasectomia-especialista-diz-8-mitos-e-verdades-sobre-cirurgia.html 

 

Portal Minha Vida: Impotência sexual e infertilidade: há alguma relação entre elas?

A andrologia, subespecialidade da urologia, cuida tanto de assuntos relacionados à fertilidade quanto a sexualidade masculina. Metade das consultas em urologia são para resolução de um dos assuntos, ou seja, são de incidência muito alta na população. A Infertilidade está relacionada a dificuldade (ou impossibilidade) em ter filhos. Já a impotência sexual ocorre quando há problemas de ereção ou libido. Mas será que esses dois temas têm alguma relação entre si? Pacientes com infertilidade tem mais chances de ter disfunção erétil e vice-versa?

A impotência sexual atinge todas as idades e, em cada uma delas, o motivo é diferente. Pacientes com até 35 anos de idade normalmente não apresentam doenças crônicas e seu problema costuma estar relacionado com fatores psicológicos.

Quanto mais velho o paciente, maior a incidência de doenças como diabetes hipertensão (principais causadores de impotência sexual). Além disso, fatores alimentares (excesso de consumo de alimentos com alto colesterol, açúcar e triglicerídeos), estilo de vida ruim (tabagismo, etilismo, obesidade e uso de drogas) e fatores hormonais (baixa de testosterona e alterações da tireóide) completam o quadro causador dos problemas sexuais.

Além dos problemas clínicos, muitas cirurgias também afetam a parte sexual masculina: cirurgias da próstata, do pênis e de toda região pélvica, além de traumas de coluna. O tratamento é baseado em mudanças do estilo de vida e controle das doenças crônicas.

Notou como são semelhantes os fatores causadores da infertilidade e disfunção sexual? Não é à toa que a investigação laboratorial, o exame físico (e mesmo a consulta inteira) sejam praticamente idênticos para investigação dos dois temas.

São assuntos diferentes, com ansiedades e diferentes, mas que tendem a incidir no mesmo paciente. Faça seu check up anualmente e previna-se. Quando não é possível prevenir, ao menos é possível realizar um diagnóstico precoce, que vai determinar um tratamento mais eficiente.

Matéria original: https://www.minhavida.com.br/bem-estar/materias/34991-impotencia-sexual-e-infertilidade-ha-alguma-relacao-entre-elas

Portal Minha Vida: Adolescentes também devem ir ao urologista? Especialista explica

A adolescência é composta de muitas transformações importantes que preparam o jovem para a vida adulta. Nesta fase ocorrem muitas transformações e descobertas, onde incertezas e dúvidas circulam a mente desses adolescentes. Nesse contexto, muitos jovens acabam aprendendo ou tirando dúvidas com amigos ou pessoas ainda mais inexperientes que eles. A internet está presente na vida dos jovens desde o nascimento e, muitas vezes, as informações podem acabar gerando ainda mais questionamentos.

Quando dividimos por sexo, nota-se incentivo às meninas para início precoce ao ginecologista. Desde os 13 anos – ou menos -, muitas meninas já frequentam o ginecologista anualmente. Culturalmente isso não ocorre com os meninos. Estima-se que mais da metade dos homens acima dos 35 anos nunca foi ao urologista.

Mas será que seria necessário? É sim! Algumas doenças urológicas ocorrem já ao nascimento, podendo dar (ou não) consequências futuras na vida adulta. Doenças graves do sistema urinário costumam ser diagnosticadas na infância, mas outras podem não ser notadas pelo pediatra, como: criptorquidiafimosehidrocele, torção crônica de testículo e varicocele.

Condições como a criptorquidia devem ser tratadas tão logo sejam notadas. Outras, como a varicocele, merecem atenção e acompanhamento anual. Além disso, o desenvolvimento do corpo masculino inicia-se na puberdade e as mudanças corporais mantém-se até o início da vida adulta. Um exemplo prático é a varicocele, maior causa de infertilidade do homem e, que se tratado na adolescência, pode prevenir dificuldades em ter filhos.

Outro ponto a ser lembrado, a adolescência é a fase da angústia, timidez, insegurança, baixa autoestima e até agressividade. É o melhor momento para ter um profissional habilitado para sanar dúvidas de sexualidade, gravidez e doenças sexuais. Dúvidas de anatomia, como tamanho e forma do pênis e testículos, são extremamente comuns.

Consultar-se na adolescência com um urologista ajuda o paciente a tirar suas dúvidas, permite diagnosticar e tratar precocemente muitas doenças.

Matéria original: https://www.minhavida.com.br/saude/materias/34819-adolescentes-tambem-devem-ir-ao-urologista-especialista-explica

Portal Minha Vida: Como diferenciar os tipos de incontinência urinária?

Incontinência urinária trata-se da perda involuntária de urina pela uretra. A condição pode acometer ambos os sexos, sendo mais comum no feminino, pela diferente composição das estruturas musculares, responsáveis pela sustentação da pelve feminina.

 

Basicamente existem dois tipos de incontinência urinária:

  • Incontinência urinária de esforço: perda de urina quando a pessoa faz exercícios físicos, tosse ou ri
  • Incontinência urinária de urgência: caracteriza-se por aumento da frequência urinária diurna e noturna, sensação de não esvaziamento pleno da bexiga ao urinar, urgência (vontade súbita de urinar) e consequente perda urinária por não chegar ao banheiro a tempo.

A incontinência mista ocorre quando há associação dos dois tipos de incontinência descritos acima. A perda urinária durante o sono é chamada de enurese noturna, não sendo caracterizada como incontinência. É uma forma transitória de perda urinária da infância, que cessa com a maturidade neurológica do paciente.

Como tratar a incontinência urinária?

O tratamento é sempre dirigido para o tipo específico da incontinência. Incontinência de esforço é inicialmente tratada com fisioterapia específica para assoalho pélvico e, quando não resolvidas, por cirurgia.

A cirurgia da incontinência urinária é chamada popularmente de “cirurgia da faixinha” ou “cirurgia que levanta a bexiga caída”. Já a incontinência urinária de urgência é tratada com medicações via oral ou, em raros casos, com aplicação de botox na parede da bexiga (feita em centro cirúrgico).

Em resumo, perder urina não deve ser considerado normal, ou da idade, muito menos psicológico ou por estresse. É uma condição que afeta sobremaneira a vida dos pacientes e merece acompanhamento e tratamento específico. Procure sempre um urologista nessa condição. Ele escolherá a melhor opção de tratamento.

Portal Minha Vida: Pênis torto atrapalha o sexo? Conheça mitos e verdades da condição

Você já ouviu o ditado popular “Pau que nasce torto, nunca se endireita”? Embora ele possa ter diversos significados, falaremos hoje sobre o conceito literal da frase, isso porque alterações no formato e posição do pênis é algo que preocupa muitos homens. Por esse motivo, selecionamos alguns mitos e verdades para desvendar, confira:

1) O pênis pode ficar torto com o passar do tempo?

VERDADE! O interior do pênis é formado basicamente por 3 cilindros. Um deles é a uretra, por onde passa a urina. Os outros dois (um de cada lado) são os corpos cavernosos. Eles se enchem de sangue e são responsáveis pela ereção masculina.

Peyronie é o nome da doença que o urologista dá ao “pênis torto“. Ocorre por micro traumas nos corpos cavernosos, decorrentes de relações sexuais (mais intempestivas) e/ou nas masturbações. Após esses traumas formam-se cicatrizes, que encurtam o lado afetado, levando a desvios e diminuições de tamanho e diâmetro. Confira imagem da condição:

Apesar de alguns pacientes nascerem com pênis torto (chama-se pênis torto congênito), a maioria deles ocorre após o início da vida sexual.

2) A curvatura do pênis causa dor?

VERDADE! Faz parte da doença de Peyronie dor as ereções, encurtamento e tortuosidade para o lado afetado. A dor inicia na fase dita inflamatória, inicial do quadro e pode permanecer pelos primeiros 6 meses. O tratamento é feito com analgésicos comuns.

3) Quem tem pênis torto tem mais dificuldade de fazer sexo?

DEPENDE! Depende basicamente da curvatura peniana. Curvas acentuadas (maiores que que 30 graus) podem causar dores e dificuldades na penetração. As dores podem acontecer tanto no homem, quanto na(o) companheira(o).

4) Quem tem pênis torto sofre mais risco de disfunção sexual?

MITO! Isso só ocorre em tortuosidades muito severas ou quando a disfunção sexual trata-se de dificuldade na penetração.

5) A posição da cueca afeta o formato do pênis?

MITO! Com certeza isso não acontece.

6) O pênis que é torto pode se endireitar sozinho?

MITO! O pênis torto não endireita espontaneamente. É sempre necessário procedimento cirúrgico para isso.

Matéria original: https://www.minhavida.com.br/saude/materias/33930-penis-torto-atrapalha-o-sexo-conheca-mitos-e-verdades-da-condicao