Como funciona a cintilografia renal?

A cintilografia renal é um exame que avalia a função glomerular (de filtração renal) do paciente, observando-se acúmulo, passagem e excreção através das vias urinárias. Isso é feito através da injeção, na veia, de uma substância radioativa chamada radiofármaco (contraste).

Existem dois tipos de cintilografia renal:

Cintilografia renal dinâmica (DTPA): usada para avaliar a função glomerular dos rins e para saber se as vias excretoras urinarias estão obstruídas. Esse exame é especialmente utilizado no diagnóstico de estenose de JUP (estreitamento da porção do ureter junto ao rim)

• A pessoa urina e depois deita-se na maca;
• É injetado o radiofármaco DTPA pela veia;
• É administrado também pela veia um fármaco (diurético) para estimular a formação de urina;
• São obtidas as imagens dos rins através da ressonância magnética;
• O paciente depois vai ao sanitário urinar e é obtida uma nova imagem dos rins.

Cintilografia estática (DMSA): avalia a função tubular e a estrutura anatômica do córtex renal (área de filtração renal). É um método confiável e acurado para o diagnóstico e acompanhamento de cicatrizes renais. É muito utilizada em crianças, sendo realizada principalmente nos casos onde há história de pielonefrite (infecção renal):

1. É injetado na veia o radiofármaco DMSA;
2. A pessoa espera cerca de 4 a 6 horas para este se acumular nos rins;
3. A pessoa é colocada na máquina de ressonância para se obter as imagens dos rins.

Lembre-se de que qualquer tipo de exame deve ser solicitado por um médico especializado na área para que não seja feito nenhum procedimento sem necessidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>