Conheça os prós e os contras de fazer vasectomia

A vasectomia é a forma mais comum e eficiente de tornar um homem estéril. Estima-se que mais de 500 mil homens americanos realizam vasectomia todo ano. Demorando menos de 1h, desconecta-se os ductos deferentes, por onde são levados os espermatozóides dos testículos ao pênis. No entanto, cerca de 10% destes homens arrependem-se da cirurgia, muitos dos quais procuram por reversão de vasectomia. Dessa forma, a decisão pela vasectomia deve ser muito bem pensada, já que uma possível reversão não tem 100% de chance de sucesso.

Porque fazer vasectomia?

Vários são os motivos para escolhê-la: possibilidade de ter relações sexuais sem gerar filhos, a custos baixos; recuperação rápida, poucos riscos, dor ou complicações ; volta rápida às atividades profissionais; nenhuma interferência no desempenho sexual, entre outros.

E quando há arrependimento?

Muitos casais se separam após a vasectomia, logicamente não por causa dela. A vida segue e muitas vezes esse homem vasectomizado encontra outra esposa, que ainda sem filhos, solicita a reversão para realizar esse sonho. Essa é a causa mais comum de arrependimento. Perda de filhos por doença ou acidentes também são outra causa para tentar reversão.

Como funciona a reversão de vasectomia?

Os melhores resultados da reversão de vasectomia  ocorrem quando é usado microscópio. Os fios cirúrgicos, extremamente finos, são usados na junção dos ductos. As taxas de sucesso da reversão são altas, mas variam de acordo com o tempo de vasectomia do paciente (cerca de 90% em até 5 anos de vasectomia). É um procedimento não coberto por convênios de saúde, mas que pode ser realizado em qualquer hospital que tenha material de microcirurgia e o aparelho microscópio.

Conclusão

A realização de uma vasectomia deve ser bastante discutida e analisada pelo casal. Apesar da reversão ser possível, ela não é 100% garantida. Seu sucesso (gerar uma gravidez) depende também de fatores femininos (idade e condição fértil da mulher), além do tempo já transcorrido desde a cirurgia e a estrutura disponível para a operação.

Em caso de dúvida, consulte sempre um especialista.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *