Saiba mais sobre a Pieloplastia

Alguns pacientes nascem com dilatação do rim ou a desenvolvem durante a vida por infecções ou por cálculo renal impactado. Pieloplastia é o nome dado à cirurgia para correção da Estenose de JUP (estreitamento da junção do ureter com o rim). Tal quadro pode causar fortes dores lombares, náuseas, vômitos e também infecções urinárias de repetição.

A pieloplastia corrige a deformidade do canal, permitindo a retomada de um fluxo urinário contínuo e sem prejuízo aos rins. O procedimento pode ser realizado por laparoscopia, retirando o segmento doente e unindo a pelve renal ao ureter. taxa de sucesso é de cerca de 95%.

Em caso de dúvidas, consulte sempre um especialista.

O que é RTU de Próstata?

A Ressecção Transuretral (RTU) da Próstata é um dos procedimentos mais comuns do urologista. É indicado para casos de HPB, a Hiperplasia Prostática Benigna, popular próstata crescida.

Apesar de pouco conhecida, a Hiperplasia Prostática Benigna é uma das doenças mais comuns do homem e consiste em um crescimento benigno do tecido prostático. Ela começa a ocorrer a partir dos 50 anos de idade e tende a ser ininterrupto.

Há diversas cirurgias para Hiperplasia Benigna, que são escolhidas de acordo com a necessidade do paciente e suas condições clínicas (como idade, existência ou não de hipertensão, diabetes, entre outras). Todas as técnicas têm a finalidade de diminuir o volume interno da próstata. Uma das opções é a RTU. Consiste na ressecção da próstata em camadas, com auxílio de alça elétrica, que corta o tecido prostático. Conhecida também por “raspagem da próstata”, esta é a mais popular das cirurgias de próstata.

A RTU também pode ser feita com uso de laser, consistindo na ressecção do tecido prostático com utilização de laser. Tem sua principal indicação em paciente que tomam AAS (aspirina) ou anticoagulantes, mas pode ser utilizada em qualquer paciente que esteja urinando mal e necessite desobstruir a próstata cirurgicamente.

O que acontece quando o testículo não desce? Conheça a criptorquidia

A criptorquidia ocorre quando os testículos apresentam um desvio em sua trajetória natural e não descem para o escroto.

Durante a vida fetal, os testículos se desenvolvem no abdome e iniciam seu trajeto de ‘descida’ para a bolsa testicular, finalizando-o até o fim da gestação. Comum em bebês prematuros, esta doença ocorre quando um dos testículos (ou os dois) ficam parados em algum ponto desse trajeto.

Caso isso ocorra, a anomalia deve ser corrigida o mais rápido possível, no intuito de preservar a função germinativa (de fertilidade e produção de testosterona) do menino. O tratamento pode se dar através de hormônios ou cirurgia, de nome orquidopexia.

A cirurgia é realizada por uma incisão de dois a três centímetros na região inguinal, que permite, na grande maioria dos casos, o reposicionamento correto e definitivo do testículo no escroto, bem como a correção de hérnias associadas.

Após o tratamento, o testículo irá se desenvolver normalmente com o passar do tempo.

Em caso de dúvida, consulte um especialista.

Saiba o que é hispopádia

 

Hipospádia é o nome que se dá a uma malformação ao nascimento em meninos. Caracteriza por uma abertura anormal (mais pra baixo) da uretra, canal por onde sai a urina. Além do problema estético, há dificuldade em formar um jato urinário. A criança urina de forma “espalhada”, muitas vezes impossível de acertar o vaso sanitário. Problemas para engravidar a parceira também podem surgir.

São quatro os tipos principais de hipospádia, classificados de acordo com a região onde está localizada a uretra:

– Distal: a abertura se encontra na glande, porém não no local correto

– Peniana: abertura no corpo do pênis

– Proximal: a uretra se abre em local próximo do escroto.

– Perineal: é o tipo mais raro, fazendo a abertura se localizar perto do ânus e o pênis ser menos desenvolvido

O tratamento consiste em cirurgia corretiva, a ser realizada preferencialmente nos dois primeiros anos de vida do menino. É feito um túnel pelo pênis e confecção de uma nova saída do canal, em local correto.

Em caso de dúvida, consulte sempre um especialista.

Conheça os prós e os contras de fazer vasectomia

A vasectomia é a forma mais comum e eficiente de tornar um homem estéril. Estima-se que mais de 500 mil homens americanos realizam vasectomia todo ano. Demorando menos de 1h, desconecta-se os ductos deferentes, por onde são levados os espermatozóides dos testículos ao pênis. No entanto, cerca de 10% destes homens arrependem-se da cirurgia, muitos dos quais procuram por reversão de vasectomia. Dessa forma, a decisão pela vasectomia deve ser muito bem pensada, já que uma possível reversão não tem 100% de chance de sucesso.

Porque fazer vasectomia?

Vários são os motivos para escolhê-la: possibilidade de ter relações sexuais sem gerar filhos, a custos baixos; recuperação rápida, poucos riscos, dor ou complicações ; volta rápida às atividades profissionais; nenhuma interferência no desempenho sexual, entre outros.

E quando há arrependimento?

Muitos casais se separam após a vasectomia, logicamente não por causa dela. A vida segue e muitas vezes esse homem vasectomizado encontra outra esposa, que ainda sem filhos, solicita a reversão para realizar esse sonho. Essa é a causa mais comum de arrependimento. Perda de filhos por doença ou acidentes também são outra causa para tentar reversão.

Como funciona a reversão de vasectomia?

Os melhores resultados da reversão de vasectomia  ocorrem quando é usado microscópio. Os fios cirúrgicos, extremamente finos, são usados na junção dos ductos. As taxas de sucesso da reversão são altas, mas variam de acordo com o tempo de vasectomia do paciente (cerca de 90% em até 5 anos de vasectomia). É um procedimento não coberto por convênios de saúde, mas que pode ser realizado em qualquer hospital que tenha material de microcirurgia e o aparelho microscópio.

Conclusão

A realização de uma vasectomia deve ser bastante discutida e analisada pelo casal. Apesar da reversão ser possível, ela não é 100% garantida. Seu sucesso (gerar uma gravidez) depende também de fatores femininos (idade e condição fértil da mulher), além do tempo já transcorrido desde a cirurgia e a estrutura disponível para a operação.

Em caso de dúvida, consulte sempre um especialista.

Entenda para que serve a reposição hormonal masculina

Embora mais comum entre as mulheres, a reposição hormonal está se popularizando também entre os homens.

 

Este tratamento é recomendado para andropausa, comum em homens a partir dos 40 anos, caracterizado pela baixa produção de testosterona. Acarreta em: diminuição do desejo sexual, falta de energia, menor capacidade de ereção, obesidade, ondas de calor e irritabilidade.

 

O tratamento é feito por urologista com medicações via oral, injeções, adesivos ou implantes de testosterona.

 

Vale destacar que o tratamento é contraindicado para homens que possuem suspeita ou confirmação de câncer de próstata ou mama.

Para combater ou prevenir a andropausa, também é importante que o indivíduo mantenha hábitos saudáveis, como boa alimentação, prática regular de exercícios físicos, evitando o consumo de álcool, nicotina e drogas.

 

Não se esqueça, em caso de qualquer dúvida, procure sempre um especialista.

Saiba mais sobre a ereção matinal

Qualquer homem sabe que é normal acordar com o pênis ereto, mesmo sem haver nenhuma motivação ou excitação.

As ereções são parte do ciclo do sono REM (Rapid Eye Movement), uma fases do sono em que ocorrem os sonhos. Indivíduos saudáveis tem normalmente de quatro a cinco ereções durante o período de repouso.

Nesta fase, o corpo recebe diversos estímulos nervosos, entre eles o de fluxo maior de sangue e ocorre maior vasodilatação no corpo, incluindo no órgão genital, o que leva a “excitação”.

Além disso, o ato também ocorre por um mecanismo de defesa do corpo, que faz com que o “mecanismo” de ereção continue funcionando durante toda a vida, mesmo de forma involuntária.

 Em pacientes com queixas de disfunção erétil é comum escutarmos que as ereções noturnas diminuíram em frequência, ou mesmo cessaram. É uma forma indireta de diagnosticar problemas de ereção. Vale sempre a pena procurar por outros problemas cardiológicos ou neurológicos quando ocorre tal queixa.

Não se esqueça, em caso de qualquer dúvida, procure sempre um especialista.

A postectomia pode afetar a vida sexual?

A postectomia, cirurgia para a retirada do prepúcio em caso de excesso de pele (fimose), é um dos procedimentos mais comuns na medicina. A prática está associada a algumas religiões, como o judaísmo, sendo também conhecida como circuncisão. Porém, ainda desperta muita dúvida sobre possíveis impactos na vida sexual do paciente.

Quando o paciente operado  já tem vida sexual ativa, ele pode experimentar uma redução transitória na sensibilidade. Ocorre pois a região passa a ter tecido cicatricial, diminuindo os efeitos do ato sexual.

Há também um suposto maior controle da ejaculação após a postectomia (relatado por boa parte dos operados).

Atenção: se você tem fimose, não tente resolver sozinho, puxando a pele do seu pênis com força para baixo. Você pode se machucar seriamente e o problema será agravado.

Não se esqueça: em caso de dúvida, consulte sempre um especialista.

Sabia que alguns medicamentos afetam nossos rins?

Os rins são órgãos responsáveis pela filtragem do sangue, eliminando o excesso de toxinas, sais minerais e outras substâncias danosas ao nosso corpo. Porém, seu funcionamento pode ser afetado por alguns remédios.

Muitos de nós temos uma rotina diária de tomar medicamentos. Quando sentimos dor, nossa primeira reação é nos medicarmos. Mas você deve pensar duas vezes antes de tomá-las.

Todos os medicamentos têm efeitos colaterais, sendo por vezes lesões renais ou hepáticas. Os mais perigosos são os anti-inflamatórios não esteroides. Como parte de seus efeitos, reduzem a capacidade dos rins em filtrar o sangue. Pessoas sadias toleram bem estas alterações, mas aqueles com algum grau de insuficiência renal podem ter graves consequências.

Os anti-inflamatórios também podem causar nefrite intersticial, um tipo de reação alérgica nos rins, levando a insuficiência renal aguda.

Alguns antibióticos também podem causar nefrite: penicilinas, rifampicina, ciprofloxacino e trimetoprim/sulfametoxazol. Além disso, analgésicos, como Paracetamol, em uso constante podem trazer lesões raras, principalmente se associado ao ácido acetilsalicílico (AAS).

Porém, é claro que medicamentos corretos devem ser consumidos. Então, por exemplo, se você sofre de hipertensão arterial e/ou diabetes do tipo 2, você provavelmente irá também sofrer danos nos rins. Não deixe de tratar essas condições e tome seus remédios diários para manter sua doença controlada.

Além disso, há outros cuidados para proteger nossos rins: evite refrigerante, não fume ou use drogas, faça exercícios, alimente-se da maneira adequada, tenha um sono de qualidade e beba pelo menos dois litros de água diariamente.

Não se esqueça: em caso de dúvida, consulte sempre um especialista.

Saiba como se formam as pedras nos rins

Uma dor muito intensa e bastante comum é a derivada dos cálculos renais, também conhecidos como pedras nos rins.

Os cálculos renais são causados por acúmulo de cristais existentes na urina. Quando a quantidade de água na urina não é suficiente para que todos os sais ali presentes sejam dissolvidos, estes se reagrupam, retornando à forma sólida.

Assim, pequenas pedrinhas são formadas. Os sais mais comuns são: de cálcio, de fosfato e oxalato, além de ácido úrico, estruvita e cistina.

Tal doença muitas vezes só é diagnosticada após a primeira crise de forte dor lombar. Surgem quando alguma pedra formada no rim se locomove para o trato urinário e obstrui a passagem da urina em alguma região, como o próprio rim ou o ureter.

É uma dor intensa, em cólica, que pode irradiar também para parte da frente do abdome e região genital. Seu tratamento varia de acordo com o tamanho e localização do(s) cálculo(s) no sistema urinário, podendo ir do uso de analgésicos ou antiespasmódicos (Buscopan é um deles) até cirurgia.

Para prevenir cálculos, devemos manter ingestão constante de líquidos, especialmente água, diminuindo sua formação. Beba pelo menos dois litros diariamente.

Então, se você sente dores e suspeita que possa sofrer de cálculo renal, consulte um especialista.