O que acontece quando a infecção urinária atinge os rins?

Os rins cumprem uma função vital para o funcionamento do organismo, garantindo a filtragem do sangue e possibilita a eliminação de substâncias prejudiciais ao corpo, como a ureia. Eles integram o chamado “trato urinário”, sistema composto também por ureter, bexiga e uretra. Infelizmente, qualquer uma dessas partes está sujeita a contaminação de bactérias causadoras da infecção urinária (ou “Infecção do Trato Urinário”, a ITU), problema que pode atingir pessoas de todas as idades.

Entre os principais sintomas da doença estão ardência ao urinar, urgência miccional, vontade de ir várias vezes ao banheiro e presença de sangue na urina. Quando o foco da infecção é a bexiga, esta é diagnosticada como uma cistite. Já quando envolve os rins, o nome dado é pielonefrite, que embora não seja tão frequente, normalmente é grave em muitas situações, podendo impor até mesmo a necessidade de internação hospitalar. 

Existem também as uretrites, quando é a uretra a parte afetada. Em muitos casos, as cistites e as uretrites são causadas pela mesma bactéria, que vêm do trato gastrointestinal (como a Escherichia coli). As mulheres tendem a sofrer com infecções urinárias com frequência muito maior que os homens. Por isso, cuidados específicos devem ser tomados, especialmente devido à proximidade entre uretra e vagina. Infecções provocadas por Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs), como herpes e gonorreia, por exemplo, podem levar ao quadro de uretrite.

Em gestantes, as ITUs podem ser recorrentes, manifestando-se por dores na região inferior do abdome, no ato de urinar. O risco de pielonefrite nas grávidas é mais alto devido a alterações fisiológicas das vias urinárias que podem ocorrer nesse período. Esta infecção é ainda agravada por complicações como anemia e sepse. Sabemos também que até 7% das mulheres que esperam filhos podem ter a chamada “bacteriúria assintomática”, ou seja, bactérias presentes na urina, mas que não geram sintomas. Medidas como a manutenção de hábitos regulares de higiene, controle adequado da rotina intestinal e a ingestão de líquidos, especialmente a água, para garantir uma boa diluição da urina, são fundamentais para prevenir as ITUs. A detecção ocorre por meio de exames clínicos e laboratoriais, com coleta da cultura de urina (urocultura) Ela identifica a bactéria causadora da infecção e quais os antibióticos que a combatem. eles sempre são usados no tratamento, devendo ser usados estritamente com prescrição médica, sob o risco de haver prejuízos à saúde e agravamento do problema.

Por todos esses fatores, não deixe de consultar regularmente um urologista para um diagnóstico preciso e orientações importantes dos tratamentos. Fique atento e cuide da sua saúde!