Prevenir é (e sempre será!) o melhor remédio

O “Novembro Azul” terminou, mas as medidas que podem garantir o diagnóstico precoce do câncer de próstata, o segundo de maior incidência entre os homens são válidas para o ano todo. 

A campanha anual tem o mérito de chamar a atenção para a importância de se fazer consultas regulares ao urologista com exames de toque retal e o de PSA (Antígeno Prostático Específico), especialmente a partir dos 50 anos de idade. No entanto, a resistência a manter um acompanhamento constante ainda é uma realidade entre muitos homens.

A doença é assintomática em praticamente todos os pacientes em estágio inicial da doença. Já na fase mais avançada da doença ocorrem sintomas de obstrução da bexiga (dificuldade em urinar, aumento da frequência diurna e noturna), além de obstrução alta dos rins, complicando com infecção generalizada ou insuficiência renal nos casos mais graves.

O exame de PSA é útil para detectar situações anormais na próstata: inflamações, infecções, crescimento benigno e tumores. Aliado ao toque retal, a dosagem de PSA no sangue é importante para ter suspeita de câncer de próstata, com possível necessidade de biópsia. Aliás, a biópsia, exame em que se retiram fragmentos da glândula para análise em laboratório, é o único método aceito para diagnóstico do câncer de próstata.

As principais recomendações para diminuir as chances de câncer de próstata são: manter uma alimentação saudável e equilibrada, não fumar, manter normais os níveis de pressão arterial, colesterol e glicemia, evitar sobrepeso e obesidade e praticar atividades físicas regularmente. Preocupar-se com a prevenção não somente ao longo do “Novembro Azul” sempre será o melhor remédio. Por isso, em qualquer época do ano, procure o seu urologista.