Saiba mais sobre o tratamento da ejaculação precoce

Ejaculação precoce é uma condição que atinge homens de todas as idades, sendo muito mais comum sua ocorrência desde a adolescência. 

 

Diversos fatores podem propiciar a situação: orgânicos, podendo ser genéticos, biológicos, metabólicos ou hormonais e/ou psicológicos, principalmente por ansiedade, depressão e problemas com autoestima. 

 

 

Para o tratamento, o urologista deve levar em consideração fatores que podem interferir na duração da fase de excitação: idade do paciente, início de relacionamento com uma nova parceira e frequência recente de atividade sexual.

 

A ejaculação precoce tem cura. Ao médico cabe analisar a situação específica do paciente, recomendando um dos seguintes métodos: medicações via oral que retardam a ejaculação, anestésicos tópicos ou, ainda, a psicoterapia.

 

Formas alternativas podem incluir:

 

1) Lubrificantes à base de água (como o KY), que favorecem a penetração e diminuem o atrito, reduzindo, portanto, a sensibilidade do contato com a vagina.

 

 2) Uso de preservativos com látex mais espesso. Apesar de não ter comprovação científica, a prática poderia ajudar na confiança e reduzir a sensibilidade de alguns homens, afastando a ejaculação precoce.

 

O importante é conhecer o seu corpo e, caso haja algo errado, não ter vergonha de conversar com um urologista. Havendo alguma dúvida, consulte um especialista.

 

Clique para saber mais sobre doenças sexuais

Saiba mais sobre os diversos problemas encontrados na hora da ejaculação

Ejaculação é o processo pelo qual o homem expele o esperma em uma relação sexual ou masturbação. Objetivo é a fecundação, permitindo, quando os espermatozoides, presentes no sêmen, encontrem o óvulo.

Quando o indivíduo está prestes a ejacular, a bexiga se fecha e as secreções da próstata, dos testículos, das vesículas seminais e das glândulas periuretrais se encaminham para a uretra. Assim, o sistema nervoso manda estímulos, que concluem o ato, expelindo o líquido.

 1) Ejaculação retrógrada ou orgasmo seco

A ejaculação geralmente ocorre acompanhada do orgasmo, mas isso não é obrigatório. A ejaculação retrógrada ocorre quando há orgasmo e o ejaculado retorna pra bexiga ao invés de ser impulsionado pelo pênis. Assim, o indivíduo acha que não houve ejaculação. Isso pode ser causado por motivos físicos (como alterações hormonais, diabetes, lesões medulares, consumo de diversos tipos de drogas, entre outros) ou alterações psicológicas (como estresse, depressão, fobias, etc).

 2) Ejaculação Retardada

Ocorre quando o homem demora demais para ejacular, seja na masturbação ou na relação sexual. Geralmente há um aspecto psicológico importante, com o indivíduo apresentando comportamento de ansiedade e estresse.

 3) Anejaculação

Incapacidade de expulsar o sêmen. Mais grave que as ocorrências citadas anteriormente, compromete a fertilidade do homem, que deixa de produzir o líquido. Decorrem de problemas psicológicos, mas também podem ter causas físicas (como consequências de cirurgias, transtornos neurológicos, inflamações, entre outras).

Não se esqueça: na dúvida, consulte sempre um especialista.

Clique para saber mais sobre doenças sexuais

Ejaculação precoce – Por que não tratar?

Sem dúvidas, a ejaculação precoce é um assunto que preocupa muitos  homens. Acredita-se que 20 a 30% deles sofram com o problema.

 

A ejaculação precoce ocorre quando o orgasmo vem antes do tempo desejado durante a relação sexual. É normal que isso aconteça uma ou duas vezes, mas, quando a situação é rotineira, pode haver prejuízo para a saúde sexual do casal.

A ejaculação precoce pode ser primária ou secundária.

 

Primária – A situação ocorre desde a primeira relação sexual, com cerca de  1 minuto de penetração em quase 90% dos casos. Com o avançar da idade, o problema tende a se agravar.

 

Secundária – O paciente inicia sua vida sexual sem problemas e ,após um tempo, o problema surge. Pode haver associação com situações específicas emocionais como traumas, rompimentos de relação, problemas conjugais ou no trabalho. Podem ainda surgir secundariamente por doenças como hipertiroidismo, fimose, hipersensibilidade da glande, problemas neurológicos, psiquiátricos ou por efeitos colaterais de medicamentos.

 

Acredita-se que a ejaculação precoce sempre tem fatores psicológicos envolvidos, muitas vezes ligados à insegurança e ao fato do homem estar sempre muito preocupado em provar como é viril e ‘bom de cama’. Ansiedade e problemas no relacionamento também podem colaborar para o aparecimento do problema.

A ejaculação precoce também pode ocorrer em homens sem nenhum problema psicológico aparente, mas que têm percepções erradas de sua própria sexualidade.

 

Entre os tratamentos disponíveis, existem a terapia sexual, o uso de alguns medicamentos e psicoterapia. Para a maioria dos casos, a combinação desses é o melhor dos tratamentos. De fato, cerca de 90% dos pacientes tem sua situação resolvida, ou no mínimo controlada, após tratamento com profissional qualificado.

 

Marque uma consulta com um urologista para ter um diagnóstico preciso e receber tratamento adequado.

 

Clique aqui para conhecer mais sobre doenças sexuais