Sentiu dor ao urinar? Saiba o que pode ser

Existem diversas causas para a dor ao urinar, chamada disúria. A seguir, vamos conhecer as principais:

– Uretrite: a causa mais comum, é a inflamação da uretra, canal interno do pênis que leva a urina da bexiga ao meio externo. Pode ser causada por diversas doenças sexualmente transmissíveis (DSTs), como gonorreia e clamídia, além de masturbação excessiva.

– Infecção urinária: mais comum entre mulheres com cistite. Nos homens, principalmente em idosos, pode ocorrer prostatite, além da própria cistite. A infecção pode ter sua explicação em anomalias do sistema urinário, como estreitamento da uretra, refluxo vesico-ureteral ou alterações da próstata.

– Cálculo urinário: a passagem de pedra vinda dos rins pela uretra pode machucar a estrutura, causando traumas e dores.

– Prostatite: é a inflamação da próstata, causada por bactérias como Escherichia coli, Proteus ou Klebsiella. Pode ocorrer um conjunto de sintomas: febre, fraqueza, dor pélvica e calafrios. Importante não confundir infecção da próstata com câncer de próstata.

– Epididimite: ocorre quando o epidídimo, estrutura que armazena o esperma acima dos testículos, sofre inflamação.

– Câncer: é raro, mas dor ao urinar pode ser sintoma de câncer na bexiga ou na próstata.

Então, se você sente qualquer tipo de dor ao urinar, consulte um médico.

Saiba o que é a epididimite

Epididimite é uma inflamação no epidídimo, tubo espiral localizado na parte traseira do testículo. Ele é responsável pelo armazenamento e transporte do esperma. A doença pode também atingir o testículo. Nesse caso, é chamada de orquiepididimite.

Ela pode atingir homens de todas as idades, sendo normalmente originada por infecção bacteriana, incluindo às de doenças sexualmente transmissíveis (DSTs), como gonorreia ou clamídia.

Outras causas são infecções do trato urinário (bexiga e próstata), traumas na região, tuberculose e uso de certos medicamentos.

Os sintomas da epididimite incluem dor no testículo (normalmente em apenas um dos lados) e aumento do volume do lado acometido.  Outros sintomas menos comuns são: dor ao urinar, micção frequente, dor pélvica, dor durante a ejaculação, sangue no sêmen e aumento dos gânglios linfáticos da virilha.

O diagnóstico da doença se dá através do exame físico na região testicular e também pode incluir o toque retal. Além disso, pode ser necessária a realização de exames laboratoriais.

O tratamento é feito com antibióticos. Se a infecção gerar um abscesso, condição bastante rara, pode ser necessária uma intervenção cirúrgica.

Na dúvida, consulte sempre um especialista.

Clique aqui para saber mais sobre urologia