Metrópoles: Mentiras que as comédias românticas te contaram sobre o sexo

Da mesma forma que os pornôs podem trazer ideias irreais do sexo, os filmes e séries de romance também contam algumas mentiras

A cena é clássica: o beijo apaixonado, as roupas sendo tiradas enquanto se amassam loucamente, o sexo papai e mamãe, geralmente com o homem por cima, o casal alcança juntos um orgasmo incrível. Corta para a cena romântica do casal abraçado na cama, embaixo dos lençóis. Esse filme te soa familiar? E é! Isso porque a cena faz parte da maioria dos filmes, séries e até novelas que apresentam o sexo romântico. Mas na vida real é assim?

Qual o problema? Nenhum, se a ideia ficar apenas ali no momento do entretenimento.

A grande questão é que esse tipo de amor romântico fica no imaginário de muita gente que se frustra na vida real quando vê que não é bem assim que o roteiro segue. E muitas mulheres hoje, que passaram a adolescência assistindo a esse tipo de filme, ainda carregam essa ilusão.

As campeãs

Quem nunca sonhou em perder a virgindade com o amor da vida, em um lugar lindo e mágico, ou se apaixonar pelo melhor amigo que fará loucuras para te conquistar. Ou ainda aqueles beijos na chuva? Atire a primeira pedra quem não ansiou por um sexo pós briga maravilhoso no chão de casa?

Pois é. Quem nunca, não é mesmo? De acordo com a sexóloga Daniela Fontinele, o modo como esse gênero apresenta os relacionamentos afeta a maneira como vemos casamento, família e demais relações: “Tudo que pode acontecer na vida real não está nos filmes”, afirma.

Amizades coloridas nem sempre dão certo. O tesão não aparece do nada e você tem sexo espontâneo facilmente nos lugares mais improváveis. Não é tão fácil fazer sexo em público sem nóias e preocupações. E, por fim, nem toda transa termina em uma gozada fenomenal para os dois.

Desmistificando

De acordo com Daniela Fontineli, a primeira coisa é lembrar que a ereção masculina e a lubrificação da mulher não acontecem em um beijo instantâneo: “O que vemos é que o beijo já deixa a mulher pronta para a penetração, e na vida real não é assim”, alerta a especialista.

Além disso, outro ponto a ser desmistificado é o orgasmo ao mesmo tempo: “Nos filmes, os casais alcançam orgasmos incríveis juntos. Na vida real sabemos que muitas vezes nem todo mundo goza, menos ainda juntos”, explica.

 

Comédia romântica x pornô

Se por um lado as meninas que cresceram vendo comédias românticas, hoje podem se frustrar com a vida real, o mesmo vale para meninos que cresceram vendo pornô: “Eles acabam tendo uma visão torta sobre as mulheres e sobre homens com suas incríveis performances sexuais, desde tempo de transa até facilidade de trocar de posições sem perder a ereção”, alerta o sexólogo e urologista Danilo Galante.

No fim, a conta não bate, quase ninguém goza e muita gente sai insatisfeita.

Clique aqui e leia a matéria completa.

Portal Hospitais Brasil: LGBTQIA+: Urologista fala sobre problemática do PrEP e falta de empatia da classe médica

O tratamento por PrEP (Profilaxia Pré-Exposição) destinado às populações LGBTQIA+ é considerado um avanço para a prevenção do HIV. No entanto, o médico urologista e sexólogo Dr. Danilo Galante, adverte que o tratamento tem deixado estas populações ainda mais largadas, “muita gente acaba não utilizando mais preservativos por conta disso”.

Além desta problemática, Galante lamenta a carência de médicos que tenham uma abordagem empática com estas populações. “Tem pouca gente interessada em saber, com profundidade, quais são os seus problemas. Além disso, meu consultório recebe muitas pessoas que não foram tratadas adequadamente”, alerta o especialista.

De acordo com o médico, homossexuais e bissexuais apresentam problemas sexuais da mesma ordem que os heterossexuais. “Um dos exemplos é o câncer de próstata que não recebe qualquer orientação em pacientes travestis, uma vez que eles continuam tendo próstata. Além da prevenção da doença  que não segue nenhuma orientação sexual para ser desencadeada”, finaliza.

 

Clique aqui e leia a matéria completa.

UOL: Por que algumas mulheres não gemem durante o sexo?

Seja em filmes eróticos, seja em novelas nacionais, grande parte das obras de ficção mostram o sexo sempre acompanhado de muitos gemidos femininos. Contudo, na vida real, existem mulheres que não gostam ou não se sentem confortáveis para gemer. Mas, afinal, qual é a real intenção do gemido?

De acordo com uma pesquisa realizada em 2011, com 71 mulheres heterossexuais com vida sexual ativa, 66% delas afirmaram que gemiam para acelerar o orgasmo do parceiro, enquanto 87% revelaram que os gemidos melhoravam a autoestima.

Mas e as mulheres que não gemem?

Segundo o sexólogo Danilo Galante, algumas mulheres ainda têm a preocupação de não parecerem vulgares na cama. Logo, como o gemido é muito mostrado em filmes pornôs, elas podem se sentir incomodadas e terem essa trava para se soltar na hora H.

O problema nisso é que, ao reprimir uma vontade, as mulheres acabam não conseguindo atingir o orgasmo de forma tão fácil. “Elas sentem vontade de gemer, de fazer caras e bocas, mas se limitam”, explica Danilo.

O sexólogo comenta que esse tipo de atitude pode atrapalhar completamente a performance das mulheres na relação sexual, porque todo mundo precisa estar à vontade para que dê certo. “Só se sentindo à vontade é que se consegue ter prazer e dar prazer para outra pessoa. Se há preocupação em atender expectativas ou se há medo de frustrar a outra pessoa, com comportamento ‘vulgar’, por exemplo, isso limita a performance e as sensações do momento”, diz o médico.

E como resolver isso?

A principal dica de Danilo é que a mulher se conheça muito bem, ou seja, que ela descubra o que gosta na cama e tenha intimidade com o próprio corpo, sem se sentir culpada por isso.

“É importante que ela entenda o que gosta e saiba como fazer isso. A partir do momento em que ela entende tudo isso, a relação fica mais fácil. Ela passa a sentir mais prazer e, consequentemente, dar mais prazer também. Assistir filme pornô pode dar ideias, usar brinquedos eróticos pode facilitar a vida também, mas o principal está dentro dela”, justifica ele.

Contudo, vale lembrar da importância de não se obrigar a nada. O objetivo é justamente se conhecer e entender os próprios limites. Logo, com o filme pornô, por exemplo, a mulher pode até gostar e se inspirar, mas pode ocorrer o efeito contrário e ela ficar incomodada. No fim, quem vai decidir o que fazer se estiver à vontade é ela.

 

Clique aqui e leia a matéria completa!

Metrópoles: Conheça 6 opções de preservativos sem látex para alérgicos

É possível encontrar no mercado, preservativos feitos com outros materiais

Para que, além de gostosa, a relação sexual seja segura, é indispensável o uso de preservativo (até mesmo para os sexos anal e oral). Contudo, há pessoas que têm dificuldade em encontrar preservativos porque têm alergia ao látex – principal composto da maior parte das camisinhas.

Segundo o urologista e sexólogo Danilo Galante, estima-se que 10 a 15% da população sofre com a alergia. Ao ter contato com o material, os principais sintomas são coceira, inchaço, vermelhidão e descamação na genitália, além de espirros, olhos lacrimejando e sensação de garganta arranhando.

Ao identificar os sintomas, as primeiras indicações são suspender imediatamente o contato com a camisinha e tomar um antialérgico. O médico ressalta também que, ainda que não seja comum, a alergia pode ser desenvolvida na idade adulta.

“É mais comum que as pessoas tenham essa sensibilidade desde sempre, mas, como qualquer alergia, ela pode aparecer em qualquer momento da vida, depende da exposição”, explica.

Opções
Se você é do time que não se dá bem com o látex, não tem por que desistir para sempre da camisinha. No Brasil, ainda que não sejam tantas opções, algumas marcas disponibilizam preservativos que não usam o látex em sua composição. Confira:

Skyn tradicional
As camisinhas da marca Skyn, da Blowtex, além de prometerem a sensação de estar sem camisinha, também são feitas com outro material que não o látex. Liberado!

Preservativo feminino Della
Muitos preservativos femininos são feitos com outras substâncias que não são o látex. Logo, ainda que não seja tão facilmente encontrada, é uma solução para os alérgicos.

Skyn texturizado
Se além da segurança o desejo é de uma sensação a mais, a Skyn conta com a opção da linha texturizada, com texturas onduladas e saliências elevadas.

Preserv Extra Premium
A linha Extra Premium da camisinha Preserv é, além de sem látex, sem cheiro, mais fina e mais larga, prometendo mais conforto na relação sexual.

Skyn Cocktail
Sem látex e com sabor? Tem, sim senhor! A Linha Cocktail da Skyn traz camisinhas saborizadas inspiradas em drinques. A Cherry Sunrise tem aroma e sabor de cereja, a Piña Colada de coco e a Passion Daiquiri de maracujá.

Jontex Pele com Pele
A Pele com Pele, da Jontex, é mais fina, livre de látex e promete a sensação de não estar usando nada.

Clique aqui e leia a matéria na integra!