Nozes podem ajudar na fertilidade: verdade ou mito?

A sabedoria popular diz que alguns alimentos podem ajudar na fertilidade masculina. Isso será verdade ou mito?

Por mais inusitado que pareça, isso é real. As oleaginosas (nozes, amêndoas e castanhas) podem ajudar na vida reprodutiva dos casais.

Segundo estudo da Universitat Rovira i Virgili, instituição espanhola, estes alimentos melhoram a contagem de espermatozóides, subindo a qualidade do esperma.

Na pesquisa, 119 voluntários entre 18 e 35 anos foram analisados. Parte do grupo seguiu sua dieta normal e o resto recebeu tais novidades em suas rotinas. Homens que comeram cerca de dois “punhados” de nozes por dia apresentaram espermatozoides mais saudáveis e mais capazes de efetuar a fecundação.

Os indivíduos que ingeriram oleaginosas também tiveram redução nos níveis de fragmentação do DNA espermático, outra característica associada à infertilidade.

Entretanto, como em qualquer pesquisa, seus resultados ainda precisam ser mais estudados e aplicados à vida do cidadão comum.

Saiba mais sobre infertilidade no nosso site: http://drdanilogalante.com.br/consulta/avaliacao-de-infertilidade/

 

 

Incontinência urinária no pós-parto: mais comum do que você imagina

Um problema muito frequente em mulheres que acabaram de se tornar mães é a incontinência urinária. A seguir, saiba mais sobre essa condição.

 

Incontinência urinária significa uma incapacidade de armazenar e controlar a saída da urina. As perdas são diversificadas, podendo variar em frequência e quantidade de líquido expelido.

 

Existem vários fatores que contribuem para esta doença. O principal é o enfraquecimento dos músculos pélvicos da mulher. Ocorre com maior frequência na gestação, após nove meses suportando o peso da barriga e também depois de passar pelo esforço de expelir o bebê (nos casos de parto normal). O número de gravidezes (e principalmente de partos) aumenta a chance de ocorrer incontinência. Obesidade materna, peso do recém-nascido (mais de 4 quilos); o uso de fórceps e um longo período de trabalho de parto são outros fatores importantes na ocorrência da incontinência.

 

É importante ressaltar que a incontinência urinária é comum nos primeiros dias após o parto, durando no máximo 4 semanas. No entanto, se isso permanecer, é necessário consultar um urologista. O tratamento inicial consiste em exercícios de fisioterapia, voltados para reforçar os músculos perianais.

 

Em casos mais graves, pode ser necessária a colocação de um dispositivo na bexiga, que visa recuperar o controle da urina.

 

Tendo dúvidas, consulte sempre um urologista.

 

Conheça os riscos de segurar a urina

Um hábito que muita gente tem, mas não sabe que é arriscado é o de segurar a micção. Saiba mais sobre os riscos deste comportamento.

A urina tem função de limpar a uretra, onde se acumulam várias bactérias. Assim, quanto maior o tempo que a pessoa segura para urinar, maior a contaminação. Ao segurar suas necessidades, o paciente atrapalha a higienização natural do corpo.

Outro aspecto negativo do hábito é que ele diminui a elasticidade da bexiga. Forçando a bexiga, os músculos de nosso assoalho pélvico começam a perder força e ficam enfraquecidos. Com o tempo, isso pode causar incontinência urinária, problemas renais e também dores de diversos tipos.

Este hábito também pode contribuir para a formação de pedras na bexiga, causando intensa dor, aumento da frequência e urgência em urinar.

A capacidade de segurar a urina varia de acordo com o corpo do indivíduo, mas saiba respeitar seus limites, pois qualquer tipo de abuso à nossa natureza pode ser prejudicial.

Não se esqueça: na dúvida, consulte sempre um especialista.

 

Saiba mais sobre a reversão de vasectomia

Cerca de 10% dos homens que se submeteram a uma vasectomia passam a desejar uma reversão do procedimento. Normalmente, a decisão é motivada por um segundo casamento, em que a nova esposa deseja um filho. Essa situação tornou-se cada vez mais comum nos dias de hoje.

 

Para que relembremos o que é a vasectomia, segue uma rápida explicação: neste método, os ductos deferentes dos homens são secionados e separados, o que impede a passagem de espermatozoides. Assim, embora o paciente siga ejaculando e tendo prazer sexual normalmente, ele não será mais capaz de gerar um filho.

 

Na reversão, é feita a recanalização dos ductos, permitindo novamente a passagem do esperma na hora da ejaculação. Com a tecnologia atual, a cirurgia é realizada com o auxílio de microscópio e fios cirúrgicos extremamente finos, fazendo a junção das partes que haviam sido desligadas.

 

As taxas de sucesso da reversão são altas, mas variam de acordo com o tempo de vasectomia do paciente. Taxas de espermatozoides e de gravidez são diferentes.  Abaixo destacamos a chance de gravidez:

  • 3 anos ou menos, as chances de o homem ser capaz de engravidar sua parceira novamente é de 76%.
  • 3 a 8 anos, a possibilidade é de 53%.
  • 9 a 14 anos atrás, a taxa é de 44%.
  • Mais de 15 anos, há uma chance de 30% de gravidez.

 

A duração da operação gira em torno de duas horas, com a cirurgia sendo considerada de pequeno porte e rápida recuperação. O paciente permanece poucos dias em repouso, podendo voltar a dirigir logo e retorna com relações sexuais após 30 dias.

 

Saiba o que a cor da urina pode dizer sobre sua saúde

De vez em quando, pacientes notam diferenças na coloração de sua urina. Nem sempre isto pode indicar algum problema de saúde, mas há casos em que devemos prestar atenção.

A urina considerada saudável é aquela com coloração levemente amarelada, devido às grandes quantidades de urobilina em sua composição. Esta substância é formada devido à degradação da hemoglobina, presente nas células vermelhas de nosso sangue.

Cerca de 95% da urina é composta por água, além da urobilina, ureia, sal, ácido úrico, toxinas e outros elementos que devem ser eliminados do nosso corpo.

Urina mais escura que o normal pode ser sinal apenas de desidratação. Veja abaixo o significado de outras colorações:

– Cor transparente: elevação no consumo de água, podendo até representar um exagero em tomar este líquido.

– Cor amarela escura: geralmente, representa pouco consumo de água (desidratação). Sem ter o que filtrar, os rins produzem urina com pouca água e com mais ureia e urobilina.

– Cor escura (ou preta): urina muito escura, com tom próximo ao preto, pode representar hepatite.

– Cor de mel: grande desidratação ou problemas no fígado.

– Cor laranja: pode indicar falta de água, consumo de remédios, suplementos vitamínicos ou até doença na vesícula ou no fígado.

– Cor azul ou verde: geralmente, urina de cor azulada ou esverdeada é causada por consumo de algum alimento exótico, medicamentos específicos ou até uma infecção bacteriana.

– Cor rosada: este tom pode significar tanto consumo de alimentos específicos ou problemas mais sérios, como doenças na vesícula, próstata, fígado, rins ou até tumores; ainda pode ser causada por problemas nos rins, bexiga ou no sistema urinário.

– Cor branca: esta alteração, na maioria dos casos, provém de infecções do trato urinário.

Não se esqueça: em caso de dúvida, consulte sempre um especialista.

Saiba mais sobre a herpes genital

Herpes genital é uma doença sexualmente transmissível (DST), que age sobre a pele ou as membranas mucosas, principalmente de lábio e genitais.

Causas

A doença é causada por dois tipos de vírus. O tipo 1 (HSV-1) é mais comum em herpes simples, frequentemente causando lesões nos lábios e no interior da boca. Esta modalidade pode ser transmitida por meio de contato com a saliva de um paciente contaminado.

O tipo 2 (HSV-2) é aquele que normalmente tem transmissão em vias sexuais. A infecção cruzada dos dois tipos acontece quando há contato oral com os genitais (o paciente pode contrair herpes genital na boca ou herpes oral nos órgãos sexuais).

Sintomas

Os primeiros sintomas da herpes genital são dor e pequenas lesões, inicialmente bolhas, localizadas no pênis. Normalmente, estas se rompem, causando coceira e dor e evoluindo para feridas, que duram cerca de 5-7 dias e somem espontaneamente, fechando o ciclo da doença.

Além dessas lesões, a doença também costuma vir acompanhada de outros sintomas, como febre, mal-estar, dores pelo corpo e desconforto ao urinar.

Tratamento

Como qualquer DST, uma maneira de evitá-la é o uso de métodos de prevenção, como a camisinha. Trata-se com comprimidos ou pomadas, que diminuem a duração do ciclo, curando as lesões mais rápido. Os géis anestésicos também podem ser prescritos, trazendo maior conforto ao paciente.

 

Na dúvida, consulte sempre um médico especialista.

Dor nas relações sexuais?

Um problema comum na vida de alguns homens, em diferentes idades, é a dor durante a relação sexual. Os problemas podem ser divididos em cinco grandes causas:

  1. Fimose

É a dificuldade de expor a glande, quando a pele que a recobre não abre ou estica o suficiente. Não está presente apenas em crianças ou adolescentes, sendo encontrado também em adultos.

  1. Inflamação da próstata

Em conjunto com outros sintomas (como ardor e dificuldades ao urinar), inflamações na próstata trazem bastante dor ao homem, causando grande desconforto durante relações sexuais, especialmente na hora da ejaculação.

  1. Doença de Peyronie

Nome dado quando ocorre tortuosidade do pênis, normalmente acusada por traumas peruanos. Além de prejudicar o desempenho sexual, este distúrbio pode causar deformações no corpo peniano e dores durante o ato sexual.

  1. Infecção urinária

Ocorrendo paralelamente com outros sintomas, como coceira no pênis, corrimento amarelado e queimação ao urinar.

  1. DSTs (Doenças sexualmente transmissíveis)

Dores durante a relação sexual podem ser sintomas de diversas doenças sexualmente transmissíveis, como herpes genital e gonorreia, lesão de sífilis, entre outras DSTs

Não se esqueça: em caso de dúvida, consulte sempre um médico especialista.

Saiba porque o frio provoca maior incidência de incontinência urinária

Hoje começa o inverno e, com a prevalência de temperaturas mais baixas, aquelas pessoas que já têm incontinência urinária, podem sofrer ainda mais nessa época do ano. A seguir, vamos entender o que causa esse transtorno. A produção urinária é derivada do volume de líquido ingerido durante o dia. Como no inverno transpiramos pouco, a maior parte da eliminação de líquidos é feita através da urina. Assim, o metabolismo acelera o funcionamento dos rins, que eliminam mais água do corpo, enchendo mais a bexiga e agravando a incontinência.

Modalidades

Existem diversos tipos de incontinência. A primeira, causada pelo esforço, ocorre quando a pessoa faz alguma espécie de movimento (ou até uma simples risada) e já perde alguma quantidade de urina. A segunda é chamada de “incontinência de urgência”, nas quais o paciente sente vontade urgente de urinar, sem que haja, necessariamente, esforço físico. O terceiro tipo é a incontinência mista, quando há associação dos dois tipos.

Solução

Mas existe solução para isso. Casos mais simples são tratados com eletroestimulações, ativação dos músculos da região pélvica e fortalecimento de toda essa região. Nos casos mais severos o tratamento é cirúrgico (sling), com colocação de uma “telinha”, que melhora a sustentação da uretra, canal por onde sai a urina (e normalmente onde está o problema nos(as) pacientes com incontinência urinária de esforço. No caso de incontinência urinária durante o sono, deve-se evitar a ingestão de líquidos em excesso antes de dormir.

Não se esqueça: se aparecerem dúvidas, consulte sempre um médico especialista.

 

Sexo seguro: conheça a importância da prevenção de doenças

Sexo Seguro: Embora a importância da prevenção durante o ato sexual seja algo bastante conhecido, muita gente ainda tem dúvidas quanto às principais maneiras de se proteger. Hoje falaremos sobre o assunto.

As DSTs (Doenças Sexualmente Transmissíveis) mais frequentes são: HIV, sífilis, gonorreia, cancro mole, HPV ou condiloma, herpes genital, candidíase e hepatites virais. Todas elas trazem complicações para a saúde do paciente, sendo que algumas podem ser fatais.

Camisinha masculina (condom)

É o método mais fácil e eficiente para evitar DSTs.

Para não perder sua eficácia, o preservativo deve ser mantido em locais que não recebem calor excessivo. Sua colocação é simples. A retirada de ar da ponta da camisinha sempre deve ser realizada. Na dúvida, siga sempre as instruções da embalagem, que explicam claramente como ela deve ser usada.

Camisinha Feminina

Embora não tão popular, ela também é eficaz. O único cuidado é não usá-la junto com a camisinha masculina. Escolha apenas uma delas, evitando que se rompam com o atrito.

Protetor para sexo oral em mulheres

Apesar de ser menos comum, a transmissão de DSTs pode ocorrer por sexo oral. O ideal é que o praticante esteja sempre protegido. A camisinha pode ser usada com esse objetivo.

Já quando o sexo oral é feito em mulheres, aconselha-se o uso de protetores para a língua da pessoa que executa o ato. Embora pouco conhecidos, eles podem ajudar na proteção contra doenças sexualmente transmissíveis.

Apesar do foco em métodos de prevenção, comportamento de risco é outro dos principais fatores para aumento da incidência de DSTs: manter um número limitado de parceiros sexuais, não usar drogas e usar materiais devidamente esterilizados em locais como salões de beleza e estúdios de tatuagens.

Lesões penianas: conheça algumas causas

Chamamos de lesões genitais quaisquer feridas, verrugas, bolhas ou “bolinhas” que surjam na região genital (pênis, testículos, uretra e períneo – área entre o escroto e o ânus). Elas ocorrem em qualquer idade, podendo ser uma lesão única ou múltiplas.

 

As principais lesões estão relacionadas às Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST), como Herpes genital, Sífilis, HPV, Clamídia, Gonorreia, Aids, Uretrite, granuloma inguinal e linfoide venéreo, entre outras. O diagnóstico, na maioria das vezes, é feito através do exame clínico ou exames específicos, como sangue ou biópsia. O tratamento dependerá do diagnóstico.

 

Inflamações locais causadas por umidade (“assaduras”), traumas de pele por masturbação ou relação sexual também podem simular uma lesão genital.

 

Tipos de lesões:

 

Herpes Genital: as lesões são pequenas bolhas que se formam, rompem e viram feridas.

 

Sifilis – lesão única (úlcera) que some espontaneamente.

 

HPV: lesões com aspecto de verrugas

 

Clamídia: múltiplas lesões na pele

 

Gonorreia: A bactéria costuma se desenvolver de diferentes formas, dentre elas, no reto, aparelho urogenital, traqueia e nos olhos. Podem aparecer erupções na pele.

 

Uretrite: pode ser causada por bactérias, vírus ou fungos e, normalmente, é transmitida através do sexo sem proteção. O sintoma mais comum costuma ser o corrimento abundante, com pus, através da uretra.

 

Granuloma inguinal e linfoide venéreo: feridas cheias de líquido e indolores.

 

Com qualquer sintoma, sempre procure um médico. Ele é a pessoa mais indicada para diagnosticar e indicar os tratamentos corretos.